Recherche

Localização geográfica do Veracruz Centrale onde se destaca a área do Cerro de las Mesas

Titulo: Ruta De La Obsidiana

País: México

Localização: Cerro De Las Mesas / Paso Del Bote, Mpio. Tlalixcoyan (Ver., México)

Abstrato: Ruta de la Obsidiana é um projeto de pesquisa internacional e interdisciplinar sobre a dinâmica de mudança das culturas indígenas mesoamericanas, com referência específica à transição do Olmec para a fase pós-Olmec.

 

Apresentação resumida do projeto

Institutos:

O projeto é dirigido pelo Centro Studi Americanistici "Circolo Amerinidano" onlus (CSACA) e com ele colaboram as seguintes instituições (em ordem alfabética):

•  Departamento de Estudos Humanísticos da Universidade de Salerno.
•  Instituto de Investigaciones Antropológicas, Universidad Nacional Autónoma de México (UNAM), Cidade do México Cidade do México;

 

Pesquisadores membros do projeto:

O projeto é dividido em 5 subprojetos (SP). Os pesquisadores responsáveis pela elaboração e direção
dos subprojetos são:

• Dr. Romolo Santoni, presidente do Centro Studi Americanistici "Circolo Amerindiano"; diretor geral do projeto e diretor do sub-projeto 1;
• Dott.ssa Larissa Terranova (Centro Studi Americanistici “Circolo Amerindiano”), colaboradora do sub-projeto 1;
• Dr. Aura Fossati (Centro Studi Americanistici "Circolo Amerindiano"), diretor do sub-projeto 2;
• Dott. Luis Alberto Barba Pigarrón (Instituto de Investigaciones Antropológicas de la UNAM), codiretor do sub-projeto 2;
• Dott. Agustín Ortiz Butrón, (Instituto de Investigaciones Antropológicas de la UNAM), colaborador do sub-projeto 2;
• Dott. Jorge Blancas Vázquez (Instituto de Investigaciones Antropológicas de la UNAM), colaborador do sub-projeto 2;
• Dr. MattiaPetrini (Centro Studi Americanistici "Circolo Amerindiano"), colaborador do sub-projeto 2;
• Prof.ssa Rosa Maria Grillo (Dip. Studi Umanistici, Universidade de Salerno, Itália / Centro Studi Americanistici "Circolo Amerindiano"), coordenadora do sub-projeto 3;
• Dott.ssa Giulia Nuzzo, Dip. Studi Umanistici, Universidade de Salerno, Itália / Centro Studi Americanistici "Circolo Amerindiano"), colaboradora do sub-projeto 3;
• Dra. Elsa López (Centro Studi Americanistici "Circolo Amerindiano"), diretora do sub-projeto 4;
• Dott.ssa Thea Rossi, (Università degli Studi di Chieti / Centro Studi Americanistici “Circolo Amerindiano”), colaboradora sub-projetos 4;
• Dra. Maria Luisa De Filippo, (Centro Studi Americanistici "Circolo Amerindiano") coordenadora dos sub-projetos de cooperação desarrollo.

Tendo dividido o Projeto Geral em 5 sub-projetos mais o sub-projeto de cooperação para o desenvolvimento, as funções dos participantes são indicadas em cada um dos sub-projetos.

 

Antecedentes:

Niño de Cerro de las MesaS

O projeto interdisciplinar apresentado abaixo tem uma longa experiência de trabalho. De fato, nasceu de um seminário que a CSACA organizou em Bastia Umbra (Perugia) e durou de 1983 a 1988, tendo como objeto de estudo os mecanismos de desintegração da hegemonia de Olmec na Mesoamérica pré-colombiana, especialmente através da análise de material iconográfico-simbólico.
O nome do seminário era: Ruta de la Obsidiana, por causa do papel no mesmo seminário acreditava- se que ele deveria ter desempenhado no comércio desta pedra na evolução histórico-política da Mesoamérica entre Olmeca e Post-Olmeca.

Em 1993, com a difusão dos estudos de Kauffman e Justeson sobre Estela 1 de la Mojarra e tendo em vista as óbvias semelhanças entre as conclusões do seminário e alguns dos resultados da pesquisa sobre Estela 1, e também tendo em vista as perspetivas de pesquisa que este último apresentou (levando em conta essas semelhanças), um novo projeto foi iniciado, batizado após o mesmo seminário em Bastia Umbra, Ruta de la Obsidiana, e que teve como primeiro período de trabalho os anos de 1994 a 1998.
Já a primeira dessas missões, em 1994, com a visita ao sítio de Cerro de las Mesas, foi um preciso ponto de virada para todo o projeto, tanto em relação ao quadro arqueológico de superfície como para a "descoberta" da existência de um vilarejo ejidal dentro do sítio arqueológico. Este último fato exigiu que mudássemos profundamente de um objetivo simples de estudo para um que mantivesse o contexto social em primeiro lugar e que cada atividade fosse direcionada em favor desse contexto.

Paso del Bote, Tlalixcoyan, Veracruz, México

Le conclusioni di questa prima fase del progetto furono esposte nell’articolo di Milena Cattaneo, 1998, Ruta de la Obsidiana 1994-1998: fra egemonia olmecatl ed avvento di Teotihuacan, l’importanza della cultura di Cerro de las Mesas, pp. 295-302 in “Thule. Rivista italiana di studi americanistici”, no. 4/5, Argo Editrice, Lecce., in forma divulgativa in Eredità olmeca, pubblicato dalla rivista “Archeologia viva” n. 60, novembre/dicembre 1996, e in forma definitiva nell’articolo Olmecografia: la definizione storico-culturale olmeca attraverso il patrimonio iconografico-simbolico, pubblicato nel n. 4/5 di “Thule. Rivista italiana di studi americanistici”, aprile/ottobre del 1998.

As conclusões desta primeira fase do projeto foram apresentadas no artigo de Milena CATTANEO, 1998, Ruta de la Obsidiana 1994-1998: fra egemonia olmecatl ed avvento di Teotihuacan, l’importanza della cultura di Cerro de las Mesas, pp. 295-302 in “Thule. Rivista italiana di studi americanistici”, no. 4/5, Argo Editrice, Lecce, in forma divulgativa in Eredità olmeca, publicado pela revista "Archeologia viva" n. 60, novembro/dezembro de 1996, e de forma definitiva no artigo Olmecografia: a definição histórico-cultural Olmec através do patrimônio simbólico- iconográfico, publicado no n. 4/5 de "Thule". Rivista italiana di studi americanistici", abril/outubro de 1998.
Nestes trabalhos, aliás, pela primeira vez, falou-se oficialmente de uma cultura do Cerro de las Mesas, distinta daquela conhecida por este nome até então (pertencente à primeira parte da era Clássica), indicando o local com o mesmo nome como parte central do florescimento desta cultura.
O trabalho da fase 1994/1998 foi realizado através de cinco missões de estudo à Mesoamérica, vários seminários de estudo e uma atividade laboratorial permanente, tanto na Itália como na Mesoamérica. As conclusões foram tema de várias participações em conferências internacionais de americanismo na Itália e no México, de publicações e conferências públicas.
O conjunto de hipóteses formuladas pelo grupo de pesquisa abriu perspetivas específicas de estudo, sempre no campo da simbologia e iconografia da fase Olmec/pós-Olmec, como foi exposto na articulação Olmecografia: la definizione storico-culturale olmeca attraverso il patrimonio iconografico-simbolico, e posteriormente ratificada em sessão especificamente organizada em torno deste tema na XXIII Conferência Internacional de Americanística (Perugia, 4-5-6 de maio de 2001). Precisamente este último evento ofereceu a oportunidade de ampliar o debate entre estudiosos de diferentes linhas de pesquisa e diferentes instituições que participaram da Conferência.

A partir deste debate:

• Surgiu que algumas hipóteses e observações levaram à reflexão sobre articulações particulares de evolução cultural a nível Pan-Mesoamericano;
• a necessidade de expandir a pesquisa para outros tipos de abordagens disciplinares e áreas cronológicas abertas.

Cerro de las Mesas, visto da pirâmide principal

Isto, para realizar uma atividade que na interdisciplinaridade, na coexistência interativa de diversas abordagens, na identificação de constantes e persistência de personagens do mundo simbólico (antes de tudo, mas não só) ao longo de todo o desenvolvimento diacrônico, foi capaz de trazer à tona alguns mecanismos na base da mudança cultural na Mesoamérica, cruzando, consistentemente com a mais pura tradição dos estudos americanistas, as diferentes fases pré e pós-colombianas.
Assim, o projeto inicialmente proposto para uma segunda parcela de investigação (2000-2004), durante o segundo semestre de 2001, tomou a forma de um projeto maior, contendo não apenas mais linhas de investigação e perspetivas disciplinares, mas também subprojetos, entre os quais se encontra a mesma continuidade de estudo do patrimônio iconográfico-simbólico de Olmec/Pós- Olmec na área do Istmo, que havia fornecido a base tradicional para a fase 1994/1998.
Assim, 7 linhas de pesquisa foram estabelecidas e desenvolvidas entre 2001 e 2016, em colaboração com vários pesquisadores e institutos.

 

Sub-projetos desenvolvidos entre 2001 e 2016:

Os seguintes sub-projetos foram desenvolvidos:

Análise dos materiais iconográfico-simbólicos na área entre os séculos V e I antes de nossa era: continuação do projeto original com perfil antropológico-simbólico e perspectiva etnostorista, dedicado à simbologia e iconografia do período Olmec/Pós-Olmec e à cultura do Cerro de Las Mesas, sob a direção de Romolo Santoni e baseado no Centro Studi Americanistici "Circolo Amerindiano" em Perugia, Itália;

• Cerro de las Mesas e seu contexto regional, Veracruz México  : um subprojeto intimamente relacionado ao anterior, consistia em um estudo arqueológico a ser realizado no mesmo local do Cerro de las Mesas; dirigido pelo arqueólogo Francesco Pacelli e pelo antropólogo Romolo Santoni (2008), Giovanna Battaglini (2009/2010) e Aura Fossati (2011 até hoje) e baseado no Centro Studi Americanistici "Circolo Amerindiano". em Perugia, Itália;

•  Universo Olmec e Culturas Antigas da Mesoamérica: o tema deste sub-projeto se referia a uma intenção de interpretação comparativa da escrita fonética maia e iconografia olmec ligada à reconstrução retrospectiva de conceitos ideológico-religiosos; este sub-projeto foi dirigido pela Profª Galina Hershova, com base principal na Academia de Ciências de Moscou, Rússia;

•  Tradição, inovação e circulação na Mesoamérica: o campo de pesquisa deste sub-projeto altamente articulado foi, em termos gerais, a complexa relação entre as diferentes "grandes" culturas mesoamericanas e entre elas e o super-Estado ocidental-hispânico no processo global de influência horizontal mútua e reação à influência vertical que produz uma remodelação da tradição (ou tradicional) que incorpora e reelabora contribuições de fora; esta abordagem geral se aplica substancialmente a três áreas: da representação, da linguagem e da literatura; foi o responsável pela gestão Prof. Antonio Melis, que coordenou um grupo do CISAI da Universidade de Siena (Itália), sede deste sub-projeto;

• Patrimônio cultural e transformações sociais entre o Mixe-Zoque do Istmo de Tehuantepec: este subprojeto visou explorar as raízes culturais do Mista-Zoque, com particular atenção aos elementos de continuidade entre o imaginário simbólico atual e o do período pré-colombiano e como a tradição oral e a etnostoria desses povos se encaixam na reconstrução lingüística e arqueológica da evolução cultural do Istmo; sede deste subprojeto, que foi dirigido pelo antropólogo Menno Oostra Ph.D, foi a LASO, Fundación de Investigación Social y Económica de América Latina, Amsterdã, Holanda;

•  Dinâmicas de saúde entre tradição hegemônica e modernidade na área populosa (mais tarde: Universos simbólicos de referência dos conceitos de saúde e enfermidade entre a Popoluca del Sud de Veracruz, México: este sub-projeto, dedicado ao mundo simbólico ligado à medicina contemporânea na região sul do Golfo, em conexão com o uso de elementos de origem pré- colombiana, foi realizado em colaboração com a Fundação Angelo Celli para uma cultura da saúde e dirigido pelo Prof. Tullio Seppilli;

•  Presença da tradição indígena da zona islâmica mesoamericana na literatura do século XX: Partindo da observação do renascimento da atenção ao mundo indígena e suas tradições, este sub- projeto teve como objetivo destacar e analisar a presença de simbologias, rituais, iconografia, mitologia, léxico, sintaxe e qualquer expressão cultural referente ao mundo indígena, tanto pré-colombiano quanto atual, com particular referência à Região do Golfo e aos Totonaca, grupos  étnicos populosos, mestiços e zoqueiros na realidade literária mesoamericana de 900. O sub- projeto foi dirigido pela Profª Rosa Maria Grillo (Universidade de Salerno / Centro Studi Americanistici “Circolo Amerindiano”).

Na iconografia que pode ser remontada neste momento, em toda a área istômica, um personagem é repetido obsessivamente, de perfil com caracteres felinos, ofiomórficos e ornitomórficos, que no projeto chamamos de DCNL (Deus com Nariz Longo)

Essa articulação complexa funciona apenas em parte e, a partir de 2007, entra em uma fase transitória na qual funcionam sobretudo os SP 1, 2 e 6. O ápice desse período são certamente a missão arqueológica de novembro / dezembro de 2009, dirigida por Giovanna Battaglini (da Universidade degli Studi di Perugia) com a codireção de Aura Fossati (CSACA) e a participação dos membros da empresa arqueológica Intrageo e Paolo (Superintendência Arqueológica de Belas Artes e Paisagem de Siena, Grosseto e Arezzo) e dos SPs de cooperação (2010/12 e 2012/15) financiados pela Tavola Valdese (www.amerindiano.org/cooperazione/). A missão arqueológica realizará um levantamento topográfico preciso que especificará o que já foi feito por Barbra Stark.

 

Fase atual, a partir de 2018:

A partir de 2017, o projeto passará por uma grande reforma. O desaparecimento de algumas colaborações e as dificuldades econômicas impõem o redimensionamento do projeto. Mas acima de tudo, a necessidade de apertar as linhas de pesquisa estritamente coerentes com a perspetiva geral do projeto, sugere orientar a observação em 6 linhas:

•  Análise dos materiais iconográfico-simbólicos na área entre os séculos V e I antes de nossa era: continuação do projeto original com perfil antropológico-simbólico e perspetiva etno- histórica, dedicado à simbologia e iconografia do período Olmec/Pós-Olmec e à cultura do Cerro de Las Mesas, sob a direção de Romolo Santoni (Centro Studi Americanistici "Circolo Amerindiano");

•  Cerro de las Mesas e seu contexto regional, Veracruz México: sub-projeto estreitamente relacionado ao anterior, consiste em um estudo arqueológico a ser realizado no mesmo local do Cerro de las Mesas; direção da arqueóloga Aura Fossati (Centro Studi Americanistici "Circolo Amerindiano") e do arqueólogo geofísico Luis Alberto Barba Pigarrón (Instituto de Investigaciones Antropológicas de la UNAM);

•  Presença da tradição indígena da zona islâmica mesoamericana na literatura do século XX: uma continuação e o mesmo título da SP 7 anterior, visa destacar e analisar a presença de simbologias, rituais, iconografia, mitologia, léxico, sintaxe e qualquer expressão cultural que possa ser traçada ao mundo indígena, tanto pré-colombiano quanto atual, com particular referência à Região do Golfo e às etnias Totonaca, Popoluca, Mixe e Zoque na literatura mesoamericana do século XX. O sub-projeto é dirigido pela Profª Rosa Maria Grillo (Università de Salerno / Centro Studi Americanistici “Circolo Amerindiano”);

•  Organização econômica e social no Paso del Bote: sub-projeto destinado a identificar os elementos sociais e econômicos básicos através de entrevistas, pesquisas demográficas e econômicas, pesquisas histórico-documentárias, a realidade contemporânea do assentamento do Paso del Bote e sua história; preparatório para o sub-projeto 6; dirigido pela Dra. Elsa López (Centro Studi Americanistici "Circolo Amerindiano");

Missão 2009: Federico Spiganti, Aura Fossati e Giovanna Battaglini

•  Desenvolvimento em Paso del Bote: finalmente, a SP dedicada à realização de planos de intervenção com a dupla perspectiva de salvaguardar o patrimônio cultural e promover o progresso cultural, social e econômico da população residente em Paso del Bote, que está localizada dentro do sítio arqueológico do Cerro de las Mesas; dirigido pela dra. Maria Luisa De Filippo.

 

Tema da pesquisa:

O terreno para canalizar mais proveitosamente a contribuição das diferentes competências científicas é, portanto, o das diferentes formas de transformação, que partem da transição de Olmec para a Mesoamérica pós-Olmec, com a intenção de contribuir para o esclarecimento não só do que foi um dos principais momentos de mudança cultural nesta área, mas também do que são alguns resultados contemporâneos em termos de ordem étnica e linguística da própria Mesoamérica, para o qual esta última tenderá a ampliar a observação.

Cerro de las Mesas,Gran Plaza

Em contraste com uma certa tendência dos estudos americanistas a privilegiar os elementos de persistência das culturas indígenas, com o risco constante de "folclorização" e, de alguma forma, "musealização" das mesmas, nosso projeto visa, ao invés disso, focar as dinâmicas de mudança e adaptação que constituem o núcleo de sua própria vitalidade. Isto também no caso de momentos específicos de estudo, dirigidos precisamente àquelas formas simbólicas do mundo contemporâneo mesoamericano, que de alguma forma são colocadas no mesmo filum evolutivo que pertence ao período pré-colombiano. Trata-se, portanto, de analisar essas dinâmicas, abrindo espaços numa pluralidade de terrenos, desde o simbolismo ao ritualismo contemporâneo, da cultura material às práticas terapêuticas.

 

Metodologia:

O quadro de referência, portanto, é o objetivo de trazer uma contribuição para o esclarecimento de certos mecanismos e dinâmicas de mudança cultural na Mesoamérica, a partir da observação de um dos momentos-chave da evolução histórico-cultural desta área.
A partir deste contexto mais geral, várias linhas de investigação são traçadas, cada uma ligada a perspetivas disciplinares específicas, metodologias e objetos específicos que deverão ser definidos e explicados no itinere.
Com base no objetivo exposto acima e nos interesses expressos pelos diversos pesquisadores, no momento foram identificados diversos setores ou linhas de investigação, desde a antropologia cultural à arqueologia, da sociologia à antropologia médica.
No contexto da investigação assim delineada, sub-projetos individuais desenvolvidos pelos vários pesquisadores ou grupos de pesquisadores que são membros da pesquisa foram formados - e outros ainda podem ser formados - a partir de cada área disciplinar, que através de múltiplas contaminações espaciais e temporais e interpenetrações tentarão manter um alto e constante nível de interação.
Os subprojetos individuais, em seu desenvolvimento, podem assim ser realizados dentro de uma atividade totalmente interdisciplinar entre as diferentes linhas de investigação e os materiais produzidos formarão uma parte orgânica dos resultados globais da pesquisa.
Os subprojetos individuais serão anexados a este projeto e formarão parte integrante do mesmo.

 

Mãos na construção do telhado de uma cabana

Programa geral do projeto de pesquisa:

As principais etapas deste projeto são:

•  workshops permanentes com reuniões e seminários de atualização na Itália e no México;
•  atividade arqueológica no sítio do Cerro de las Mesas (Veracruz);
•  uma série de missões de estudo à Mesoamérica para análise e recuperação de material iconográfico no local e para reuniões de estudo com pesquisadores mesoamericanos;
•  atividades de pesquisa de campo em Veracruz;
•  participação em seminários internacionais;
•  coleta e sistematização de material documental;
•  publicação dos resultados.

 

Objetivos específicos:

A definição dos objetivos específicos é deixada para os subprojetos individuais nos quais a pesquisa é articulada.

 

Produção de materiais e divulgação de resultados:

De acordo com as características e filosofia do Centro Studi Americanistici "Circolo Amerindiano", um dos principais objetivos desta pesquisa é a produção de materiais e a divulgação dos resultados.

Com isso em mente, eles são planejados:

•  a realização de um corpus documental formado pelos relatórios detalhados dos projetos individuais, slides, gravações de áudio e vídeo em suporte magnético;

•  publicação de um volume sobre as diversas etapas da pesquisa;

•  fazendo um filme digital de 45 minutos;

•  relatórios em congressos científicos e artigos em periódicos especializados;

•  artigos e materiais diversos de natureza popular.

Acreditamos ser útil e importante ressaltar que a participação de instituições de diferentes países é um meio interessante de colaboração científica. Concreto entre esses países.
Todo o material produzido será coletado e organizado em um arquivo do Centro de Documentação de Áudio e Vídeo "Daniele Fava", de propriedade do "Circolo Amerindiano" em Perugia e no escritório do México e colocado à disposição da comunidade científica e de qualquer pessoa que deseje consultá-lo.

AA.VV., 1975, Del Nomadismo a los Centros Ceremoniales, Ed. I.N.A.H., México.

AA.VV., 1975, Las Lenguas de México, vol. II, I.N.A.H., México (Serie México Panorama histórico e cultural, V).

AA.VV., 1980, Rutas de Intercambio en Mesoamérica e Norte de México XVI Mesa Redonda, Saltillo (Coahuila, México) 9-14/9/1979, Sociedad Mexicana de Antropologia.

AA.VV., 1986, Archeológia e Etnohistoria del Estado de Guerrero, I.N.A.H. e Gobierno del Estado de Guerrero, México.

AA.VV., 1989, El Preclásico o Formativo, avances e perspectivas, Seminario de Arqueologia ‘Dott. Román Piña Chan’, Ed. I.N.A.H., México, noviembre.

AA.VV., 1990, Historia de la Religión en Mesoamerica e areas afines: II Coloquio, Barbro Dahlgren coordinador, UNAM, México.

AA.VV., 1994, Historia Antigua de México, Linda Manzanilla, Leonardo López Lujan (coord.), INAH, México D.F.

AA.VV., Colha e i Maya dei Bassiapiani, Ed. Erizzo, Pordenone, 1983.

Acosta Jorge, Romero Javier, 1992, Exploraciones en Monte Negro, Oaxaca: 1937-38, 1938-39 e 1939-40, Antologias Serie Arqueologica, INAH, México D.F.

ANAYA G., Lenguas de México: su classificación, “México Indigena”, n. 17 del ano III, luglio/agosto 1987, México, I.N.I., México.

Angulo J. V., 1988, Siete sistemas de aprovechamiento idráulico localizados en Chalcatzingo, “Arqueologia”, I.N.A.H., vol. II, pp. 37-84.

Angulo V., 1979, Chalcatzingo, Guia Oficial, Secretaria de Educación Pública, México.

Bernal i. - Oliveros a., Exploraciones archeologicas en Dainzú, Oaxaca, I.N.A.H., México, 1988.

Bernal Ignacio, 1968, El mundo olmeca, Editorial Porrúa, México.

Bernal Ignacio, 1976, The Olmec World, University of California Press, Berkeley, Los Angeles, London.

Brueggemann J. K., 1990, Consideraciones en torno lo que llaman etnoarqueologia, volume 25 pp. 15-21 in “Anales de Antropologia”, UNAM, México.

Bruggemann J.K., 1978, Studios Estratigráficos en Tlapacoya, Estado de México, 1973, I.N.A.H., México, 1978.

Carmona Macias (coordinadora), El Preclásico o Formativo: avances e perspectivas, Museo Nacional de Antropologia, INAH, México.

Caso Alfonso, 1989, De la arqueologia a la antropologia, UNAM, México.

Cassirer Ernst, 1961, La filosofia delle forme simboliche, La Nuova Italia, Firenze.

Cattaneo Milena, 1998, Ruta de la Obsidiana 1994-1998: fra egemonia olmecatl ed avvento di Teotihuacan, l’importanza della cultura di Cerro de las Mesas, pp. 295-302 in “Thule. Rivista italiana di studi americanistici”, no. 4/5, Argo Editrice, Lecce.

Clark John - Blake Michael, 1989, El origen da la civilización  en Mesoamérica: los olmecas e mokayas del Soconusco de Chiapas, pp. 385-405, in Martha Carmona curadora “El Preclasico o Formativo: avances e perspectivas”, INAH, México.

Clark John – Hansen Richard D., 1990, Preclásico Tardio (400a.C. - 200 d.C.), volume VIII num. 46  pp. 12-19 in “Arqueologia mexicana”, México.

Clark John (curatore), 1994, Los olmecas en Mesoamérica, El Equilibrista, México - Turner Libros, Madrid.

Clark John, 1990, Olmeca, olmechismo e olmechización en Mesoamerica, volume 3 pp. 49-55 in “Arqueologia”, México.

Coe M. – Snow D. - Benson E., 1987, Atlante dell’antica America, Istituto Geografico De Agostini, Novara.

Coe Michael D.- Diehl Richard A., 1980, The land of the  Olmec. The archaeology of San Lorenzo Tenochtitlán, voll. 2, University of Texas Press, Austin.

Covarrubias Miguel, 1961, El aquila, el jaguar e la serpiente, UNAM, México.

Cyfers Ann, 1997 (curatrice), Población, subsistencia e medio ambiente en San Lorenzo Tenochtitlán, Instituto de Investigaciones Antropológicas, UNAM, México.

De La Fuente Beatriz, 1975, Las cabezas colosales olmecas, Fondo de cultura Economica, México.

Eco Umberto, 1975, Trattato di semiotica generale, Bompiani, Milao.

Ekholm-Miller S., 1973, The Olmec Rock Carving at Xoc, Chiapas, México, New World Archaeological Foundation, Brigham Young University, Provo (Utah) 1973.

Fahmel Beyer Bernd, 1994, El Estado durante la epoca Monte Albán II, volume 31 pp. 91-104 in “Anales de antropologia”, UNAM, México.

Fahmel Beyer Bernd, 2000, El glifo C de Alfonso Caso, Comunicazione personale.

Flannery Kent V. (curatore), 1976, The Early Mesoamerican Village, Academic Press, New York.

Flannery Kent V., 1974, The olmec and the Valley of Oaxaca: A model for interregional interaction in formative times, pp. 64-83 in A. Sabloff e C. C. Lamberg-Karlowsky “The rite and the fall of civilization: Selected reading”, Menlo Park, California.

Garaiz Esteban M., Los Olmecas: un imperio fluvial, Hipocamp, año II n. 2, S.José de Costa Rica.

Gendrop p. - Heyden d., Architettura Mesoamericana, Electa, Venezia, 1973.

Gomez Rueda Hernando - Courtes V., 1987, Un pectoral olmeca de la Encrucijada, Tabasco, “Arqueologia”, I.N.A.H., Vol. I,, pp. 73-88.

Gonzalez Lauck Rebecca, 1988, Progetto  archeologico de La Venta , “Arqueologia”, n. 4, 1988, México, pp. 121-165.

Grove David C., 1970, Los murales de la cueva de Oxtotitlan, Acatlan, Guerrero, I.N.A.H., México.

Grove David C., 1981, The formative period and the evolution of Complex Culture, Archaeology in Supplement to the Handbook of Middle American Indians, University of Texas Press, Austin (U.S.A.).

Grove Davide C., 1984, Chalcatzingo, excavation  on an Olmec Frontier, Thames and Hudson, London.

Justeson John - Kauffman Terrence, 1993, A dechipherment of Epi-Olmec Hierogliphic Writing, in “Science”, vol. 259, 1993, pp. 1703-1711.

López Austin Alfredo - López Luján Leonardo, 1998, Il passato indigeno, Jaka Book, Milano.

Lorenzo José Luis, 1970, Chronology and position of Tlapacoya in American Prehistory, in The Excavations at Tlapacoya, México, XXXV Annual Meeting , Society for American Archaeology, mimeografiado, Departamento de Prehistoria, Instituto Nacional de Antropologia e Historia, México.

Lowe G.W. - Lee T. A. jr. - Martinez Espinosa E., Izapa: an Introduction to the ruins and monuments, New World Archaeological Foundation, Brigham Young University, Provo (Utah), 1982.

Martinez D. G., 1979, Las Pilas, Morelos, I.N.A.H., México.

Martinez Donjuán Guadalupe, 1982, Teopantecuanitlan, Guerrero: un sitio olmeca, “Revista Mexicana de Studios Antropológicos”, tomo XXVIII:1982, Sociedad Mexicana de Antropologia, México, pp. 123-132 (1).

Martinez Donjuán Guadalupe, 1985, El sitio Olmeca de Teopantecuanitlan en Guerrero, volume 19 pp. 215-226 in “Anales de Antropologia”, UNAM, México.

Martinez Donjuán Guadalupe, 1985, Teopantecuanitlan, in Arqueologia e ettnohistoria del estado de Guerrero, 1985, Instituto Nacional de Antropologia e Historia - Gobierno del Estado de Guerrero, pp. 53-80.

Miller M.E., 1988, L’arte della Mesoamerica: Olmechi, Maya, Aztechi, Rusconi, Milano.

Niederberger Christine, 1976, Zohapilco, Instituto Nacional de Antropologia e Historia, México.

Niederberger Christine, 1985, Excavación de un área de habitación doméstica en la capital “olmeca” de Tlacozotitlán , reporte preliminar, in Arqueologia e ettnohistoria del estado de Guerrero, 1985, Instituto Nacional de Antropologia e Historia - Gobierno del Estado de Guerrero, pp. 81-104.

Niedernerger Christine, 1987, Paleopaysages et archeologie pre-urbaine du Bassin de México, I e II, C.E.M.C.A., México, 1987.

Ochoa Lorenzo, 1989, Comercio, comerciantes e rutas de Intercambio en el México Antiguo, SECOFI, México.

Ortiz Ponciano - Rodriguez M.a del Carmen - Schmidt Paul, 1988, El progetto Manati, “Arqueologia”, n. 3,  México, pp. 141-154.

Ortiz Ponciano - Rodriguez M.a del Carmen, 1989, El progetto Manati, “Arqueologia”, n. 1, segunda época, México, pp. 23-52.

Paddock John, 1966, Oaxaca in Ancient Mesoamerica, pp. 83-241 John Paddock editor in “Ancient Oaxaca”, Stanford University Press, Stanford, California.

Piña Chan Román – Covarrubias Miguel, 1964, El pueblo del Jaguar, Museo Nacional, México.

Piña Chan Román, 1958, Tlatilco, Instituto Nacional de Antropologia e Historia, México.

Piña Chan Román, 1967, Official guide of Copilco - Cuicuilco, I.N.A.H., México.

Piña Chan Román, 1977, Quetzalcoatl, Serpiente Emplumada, Fondo de Cultura Economica, México.

Piña Chan Román, 1987, Simboli e culto del giaguaro nell’arte degli antichi Olmechi, in L’Umana Avventura, primavera.

Santoni Romolo, 1984, Chalcatzingo, l’ultima frontiera olmeca, Atti del IV Convegno del C.S.A. “Circolo Amerindiano”, 30/4 2/5/1982, “Bollettino del Circolo Amerindiano”, n. 12, Perugia, 1984, pp. 25-36.

Santoni Romolo, 1988, Il ruolo degli Olmechi nello sviluppo culturale della Valle di Oaxaca, Atti del Convegno Internaz.le “Archeologia, Scienza e Società nella America Precolombiana”, Brescia 17-19/6/1988, pp. 177-188.

Santoni Romolo, 1990, Le vie degli Olmechi, “Archeologia viva” (Firenze), vol. IX, n.10, Maggio 1990, pp. 34-44.

Santoni Romolo, 1995, Mesoamerica tra segno e significato, Istituto di Etnologia e Antropologia Culturale, Perugia.

Santoni Romolo, 1996, Eredità Olmeca, pp. 51-63 no. 70 in “Archeologia Viva”, Giunti, Firenze.

Santoni Romolo, 1998, Olmecografia: la delimitazione storico culturale olmeca attraverso il patrimonio iconografico-simbolico, pp. 73-106 no. 4/5 in “Thule. Rivista italiana di studi americanistici”, Argo Editrice, Lecce.

Santoni Romolo,1985, Primi esempi di scrittura nel Messico Precolombiano, “Atti del Conv. Naz.le: “Archeologia Scienza e Società nell’America Precolombiana”, Biella, 15-17/11/1985, pp. 91-105.

Santoni Romolo,1987, Mesoamerica tra Giaguaro e Serpente piumato: alcune ipotesi sui cambi culturali del I millennio a.C., Atti del V Convegno del C.S.A. “Circolo Amerindiano” 6-7-8/5/1983, in Bollettino n.13, Perugia, pp. 3-17.

Schavelzon Daniel, 1983, La piramide de Cuicuilco, Fondo de Cultura Economica, México.

Soustelle Jacques, 1979, Les Olmèques, Librairie Arthaud, Paris.

Stark Barbara L., 1994, Entre los olmecas y los totonacas, in “Arqueologia Mexicana”, Vol. I, num. 5, (Diciembre 1993 - Enero 1994), Raices, México, pp. 33-36.

Stirling M. W., Los Olmecas, “Americas” (Washington), diciembre 1969 - enero 1970.

Urcid Javier, 1992, Zapotec Hierogliphic Writing, Doctoral dissertation, Department of Anthropolology, Yale University. University Microfilms Internacional, Ann Arbor, Michigan.

Vásquez Zárate Sergio, 1995, El contexto regional del sitio  La Mojarra, Ponencia Museo de Antropologia, Universidad Veracruzana, Xalapa, Ver.

Vásquez Zárate Sergio, 1997, Progetto archeologico La Mojarra, pp. 197-210, in Sara Ladrón de Guevara González e Sergio Vásquez Zárate (curatori), Memoria del coloquio: arqueologia del centro e sur de Veracruz, Universidad Veracruzana, Xalapa, Ver.

Winfield Capitaine Fernando, 1990, La estela 1 de La Mojarra, Universidad Autónoma de México, México.

 

Titulo: Memoria de la tierra, memoria de los hombres y de las mujeres. Investigación multidisciplinaria sobre San Andrés Larráinzar

País: México

Lugar: San Andrés Larráinzar, Chiapas, México

Missão em curso: Março – dezembro de 2020


San Andrés Larrainzar

Resumo/subtítulo: É um projeto de pesquisa interdisciplinar que reúne antropólogos, historiadores e arqueólogos. Ele pretende destacar como a memória duradoura é construída em terras indígenas e como o passado é preservado em terras maias sem a necessidade de corrigir eventos por meio de um registro escrito.

O projeto pretende envolver a mesma população local da comunidade indígena maia de San Andrés Larráinzar (Chiapas, México) e transformar a relação pesquisador-informante em uma nova experiência metodológica, já que há alguns anos profissionais, jovens acadêmicas, mulheres que se estabeleceram eles ocupam posições tradicionais e novos atores e sujeitos que podem colaborar de diferentes maneiras em registros de pesquisa compartilhados.


San Andrés Larrainzar

Coordenação científica: Dr. Piero Gorza (antropólogo, Instituto de Estudios Indígenas, San Cristóbal de Las Casas, México, Centro Studi Americanistici “Circolo Amerindiano, Perugia, Italia)

Dra. Marie Annereau-Fulbert (arqueóloga, Centro Estudios Mayas, Universidad Nacional Autónoma de México, UNAM)

Time de pesquisa: Dra. Paola Ortelli (antropólogo,  Universidad Autónoma de México, UAM).

Dr. Lucas Ruiz Ruiz (antropólogo, PhD in Estudios Mesoamericanos, Universidad Nacional Autónoma de México, UNAM).

Lic. Chrystian Reyes Castillo (arqueóloga e e historiador, mestre em Posgrado en Estudios Mesoamericanos, Universidad Nacional Autónoma de México).


Descrição detalhada: 

É um projeto de investigação interdisciplinar, com início em 2018, sobre como se constrói a memória em terras indígenas, sabendo que as estratégias mnemónicas das populações originais não podiam utilizar a escritura fonética alfabética durante séculos.

Trata-se de definir textos e fontes que permitam manter a memória do passado e estudar quais as línguas originais que veiculam formas de conhecimento. Não se trata apenas de aprofundar os procedimentos mnemónicos, mas de reconstruir outras formas de pensar a história e a memória. É necessário identificar que teorias nativas são utilizadas para ler o mundo, quais as geografias que permitem a sua descrição, quais as ontologias que durante séculos constituíram diferenças, incompreensões e mal-entendidos. Linguagem, memória oral, ritualismo social, corpo e vestuário e, finalmente, território são as texturas que permitiram combater a entropia do tempo e são, portanto, objeto de estudo.

A área em que se concentra a investigação limita-se às montanhas Maias de Los Altos de Chiapas, México, com especial atenção para o município de San Andrés Larráinzar - San Andrés -Sakamch'en de Los Pobres.

A pesquisa envolve a colaboração de antropólogos, linguistas, historiadores e arqueólogos e a definição in itinere de metodologias e técnicas de investigação comuns. Participam no projeto académicos de instituições académicas e de investigação mexicanas (El Centro de Estudios Mayas, Unam, el Colegio de México, la Universidad Autónoma de México; o Centro de Estudios Superiores de México y Centroamérica e o Instituto de Estudios Indígenas de San Cristóbal de Las Casas, Chiapas) e italianos (CSA "Circolo Amerindiano"). Instituições indígenas (Ayuntamientos constitucionales) e jovens das comunidades estudadas com diploma, grau e alguns doutoramentos estão envolvidos nas atividades.

Missões: 

O projeto envolve 5 anos de investigação, dois dos quais já foram realizados. As atividades já realizadas dizem respeito a 4 estadias de 2 meses para investigação de campo articuladas sobre os seguintes temas: a) tradição oral: cânticos xamânicos e memória; b) paisagens sagradas e arqueológicas; c) participação nas atividades rituais da comunidade.

Os trabalhos foram apresentados pela primeira vez num seminário ministrado por Piero Gorza na Unidad de posgrado do Instituto de Investigaciones Filológicas (Unam) com o título "Ontologías y construcción de la memoria indígena en área maya (20-26 de Setembro de 2019) e no "Congreso Internacional de Mayistas, (Chetumal Junho de 2019)". Um seminário de três dias intitulado "San Andrés Larráinzar: Memoria de la tierra, de los hombres y de las mujeres" foi agendado para 21-23 de Março de 2020 em San Cristóbal de Las Casas, na sede académica da EGAI. Será reprogramado assim que as universidades reabrirem. Estão previstas mais seis missões de investigação no terreno. Os resultados parciais e finais do trabalho serão apresentados nas sessões da Congresso Internacional de Americanística em Perugia e divulgados com a publicação de um livro.

Titulo: A Cidadania Constrói a sua História. Reconstrução do Imaginário, Utilização do Espaço e Processos Sociopolíticos (Século XX)

País: Venezuela

Lugar: Puerto Ayacucho, Stato Indigeno di Amazonas.

Resumo: O projeto visa reconstruir os aspetos fundamentais da memória histórica de Puerto Ayacucho, como espaço sem petróleo, em termos de participação e ação coletiva no processo de integração nacional e de consolidação da Venezuela.

Descrição detalhada: 
Puerto Ayacucho, capital do Estado Indígena do Amazonas, tem sido ao longo dos anos objeto de uma forte imigração de vários membros dos povos indígenas, incluindo Banivo, Wotjuja ou Piaroan e Kurripakos, a partir das áreas circundantes.

Durante uma missão inicial, foram realizados encontros com diversas personalidades da região para definir interesses e necessidades relacionadas ao conhecimento de sua história (estudiosos, jornalistas, representantes indígenas, não indígenas, autoridades municipais) e com o Governador do Estado Indígena do Amazonas, Liborio Guarulla, que renovou o apoio do Estado ao projeto.

Para alcançar os objetivos estabelecidos pela atividade de investigação, pretende-se recolher os testemunhos dos cidadãos como fontes fundamentais e insubstituíveis. O objetivo é, portanto, identificar os atores sociais que têm a tarefa de contribuir para a reconstrução da memória coletiva destinada a interpretar a participação dos cidadãos na integração nacional.

Ao mesmo tempo, iremos proceder à localização e sistematização de repertórios documentais e materiais úteis para o efeito. Devido à complexidade da investigação, serão consultadas múltiplas fontes nos arquivos documentais e hemerográficos da República da Venezuela: Registro Principal del Estado Amazonas – Archivo Histórico de Miraflores – Archivo General de la Nación, Sección de interior y Justicia, Biblioteca Nacional, sección de Hemeroteca nacional, Hojas sueltas, Libros Raros.

Numa segunda fase, procederemos à análise, discussão e edição dos resultados da atividade de investigação. Estes serão tornados públicos e partilhados em seminários abertos, como a Conferência Internacional de Americanística, através da representação dos principais expoentes da investigação.

A missão produzirá também material para revistas cegas de referência e outros tipos de publicações coletivas.

Parceiros e Financiadores:
• Ministério dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação Internacional, Italia (MAECI-DGSP);
• A Universidade de Zulia;
• Universidade de Perugia.

Título: Primatas humanos e não-humanos nos Trópicos Sul-Americanos

País: Brasil

Lugar: Area Indígena Trincheira-Bacajá

Missão em andamento: Desde 2018

Resumo: A pesquisa intende investigaras diferentes relações entra primatas humanos e não-humanos nos trópicos Sul-americanos, focando em como essas são vivenciadas entre povos indígenas e primatologos. A pesquisa será realizada usando uma abordagem interdisciplinar e integrada entre antropologia e primatologia.

Os resultados permitirão de discutir tópicos quais as relações humanos-animais, a etnografia multiespecífica e a conservação dos primatas.

Descrição detalhada:

O projeto foca as associações humanos-animais, com atenção especial aquelas entre primatas humanos e não-humanos, estudando o controverso debate entre entre saberes “indígenas” e “científicos”.

Empiricamente, essa focará dois estudos de caso: os primatologos trabalhando com os Cebus spp. e o povo indígena Mebengokré da Área Indígena Trincheira-Bacajá.

Ambos esses grupos apresentam processos específicos de socialização dos primatas e especialmente dos macacos pregos.

Os primatologos realizando pesquisas com estes primatas evidenciam sua aprendizagem social, o desenvolvimento de novas habilidades, o uso de objetos e seus conhecimentos abstratos. Na literatura especializada eles apresentam uma imagem desses primatas enquanto mergulhados em um ambiente social, cognitivo e relacional parecido com o dos humanos. Ademais estes primatologos produzem especificas formas de relações pragmáticas e cognitivas com os primatas não-humanos. Essas relações fazem dos Cebus spp. tanto objetos quanto sujeitos das práticas de pesquisa cientifica.

Os Mebengokré são um povo indígena da família linguística Jé. Eles produzem múltiplas relações com os Cebus spp. Estas snao vivenciadas na vida cotidiana, compartilhando espaços domésticos e a floresta. Ademais eles são presentes nos processos cognitivos, como por exemplo nas narrações míticas, em mascaras rituais e outra praticas de conhecimento. Em ambos os casos os primatas não-humanos, e especialmente os Cebus spp. ocupam uma posição preeminente na definição das experiências pragmáticas, simbólicas e cognitivas das relações entre humanos e animais.

Nessa direção, a investigaçãoo etnográfica produzirá dados originais para contribuir ao debate atual sobre as relações entre humanos e animais, tanto na antropologia como na primatologia: desenvolverá um efetivo dialogo interdisciplinar, com o engajamento de pesquisadores de ambas as disciplinas; e finalmente contribuirá para o desenvolvimento de eficientes estratégias de conservação desses primatas, tendo como ponto de partida o dialogo entre os saberes indígenas e científicos, assim como considerando as dimensões culturais locais e o reconhecimento d agentividade dos primatas não-humanos.

 

O G.R.E.C.A. (Grupo de Pesquisa em Etnomusicologia do Circolo Amerindiano) é um grupo de pesquisa que, graças a seus membros, realiza pesquisas sem precedentes no campo da etnomusicologia americana.

O principal objetivo do GRECA é o estudo da música do continente americano, baseado no sincretismo musical entre as correntes culturais dos povos nativos, conquistadores espanhóis, escravos africanos e, por fim, imigrantes europeus, para difundir e divulgar os diferentes palcos da música americana.

A metodologia aplicada baseia-se exclusivamente no trabalho de campo e é realizada sob a supervisão da Dra. Maria Lina Picconi, com o apoio acadêmico da Dra. Everardo Garduño e Dra. Román Robles Mendoza, e com o apoio específico da Dras . Elisangela de Jesus Santos e Maria Cristina Giorgi do Rio de Janeiro, Brasil.

Atualmente, possui pesquisadores do México, Brasil, Chile, Argentina, Guatemala, Haiti, Colômbia, Equador, Italia e Peru, cuja tarefa é estudar as expressões musicais de grupos étnicos em seus países, distinguindo suas peculiaridades regionais em seus espaços específicos.